Forças de Israel desarticulam célula terrorista em Jerusalém

Forças de segurança de Israel neutralizaram uma célula terrorista em Jerusalém que preparava um ataque contra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

A investigação estabeleceu que, segundo instruções obtidas do exterior, os integrantes da célula planejavam efetuar ataques terroristas de grande escala contra um número de alvos, incluindo políticos de alto escalão do país, como o premiê israelense Benjamin Netanyahu e o prefeito de Jerusalém, Nir Barkat.

Segundo a investigação, Muhammad Jamal Rashdah, do campo de refugiados Shuafat, ex-prisioneiro com cartão de identidade israelense, começou a coletar dados sobre estes alvos, que também incluiriam a delegação de representantes canadenses em Jerusalém e prédios pertencentes ao consulado dos Estados Unidos.

No momento, o premiê de Israel está visitando a Europa para debater o acordo nuclear do Irã.

Nesta terça-feira (5), está agendado um encontro com o presidente francês Emmanuel Macron, após as negociações com a chanceler alemã, Angela Merkel, com quem Netanyahu se encontrou nesta segunda-feira (4).

Com informações de Sputnik Brasil

Novo governo da Itália tenta revisar regras da União Europeia

O novo governo da Itália irá buscar apoio no Senado, nesta terça-feira (5), em um dos últimos passos antes de poder começar a implementar seus planos para revisar regras da União Europeia sobre orçamentos e imigração.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, irá pedir que o Senado aprove uma moção de confiança sobre seu “governo da mudança”, como tem sido chamado pelos dois partidos que o apoiam.

Conte falará pela manhã no Senado, que deve realizar a votação ainda nesta terça-feira (5), enquanto a moção de confiança está prevista para ser votada na Câmara na quarta-feira.

A coalizão tem uma maioria de cerca de 10 votos no Senado e uma margem ainda maior na Câmara.

Com informações do BOL

EUA boicotam reunião da ONU sobre desarmamento

A delegação dos Estados Unidos anunciou nesta terça-feira (5) que vai boicotar a reunião da conferência de desarmamento presidida desde a semana passada pela Síria.

O embaixador americano afirmou em comunicado:

Devido às reiteradas tentativas da Síria na semana passada de utilizar a presidência da conferência de desarmamento para normalizar o regime e seu comportamento inaceitável e perigoso, não participamos na sessão deste dia.

O diplomata Robert Wood já havia criticado duramente a decisão da ONU de permitir que o regime da Síria presida a conferência sobre desamarmento.

Com informações do BOL

Moro recebido com honrarias no Principado de Mônaco

O juiz federal Sergio Moro foi recebido com honrarias no Principado de Mônaco, onde foi homenageado na quarta edição do Brasil Mônaco Project, no último fim de semana.

O evento tem o apoio da realeza e já reverenciou personalidades como o ex-jogador Ronaldo. Convites para participar do ato foram vendidos por €1.000,00.

Sergio Moro assistiu a um concerto no camarote real da Opera Garnier, no cassino Monte Carlo, ao lado do príncipe Albert 2º.

Depois, participou de jantar e prestigiou um leilão beneficente. No jantar, foi acomodado na mesa principal, quase de frente ao príncipe.

Algumas obras do leilão foram arrematadas por mais de € 20 mil. Em um breve discurso, o juiz agradeceu a contribuição das autoridades do principado com a Lava Jato.

A organizadora do evento é Luciana de Montigny, mulher do cônsul de Mônaco.

Um vídeo com detalhes da noite de homenagem a Moro foi postado nas redes sociais. Segundo convidados, os recursos arrecadados seriam destinados a uma fundação chamada “Butterfly”.

Com informações da Folha

Congresso do Brasil se mobiliza contras as notícias falsas

O congresso brasileiro colocou em pauta vários projetos de lei para combater as famosas ‘fake news’.

Nada menos que 210 deputados e 11 senadores se reuniram na chamada Frente Parlamentar de Combate às Fake News, lançada no último dia 23.

Além disso, pelo menos 16 projetos de lei sobre o tema já foram apresentados na Câmara e no Senado.

Os textos, no entanto, são genéricos e, de acordo com especialistas, chegam a dar abertura para o cerceamento à liberdade de expressão, além de buscar soluções controversas para o problema.

De acordo com informações da Gazeta do Povo:

A fim de transformar em crime a produção ou o compartilhamento de notícias falsas, a maioria dos projetos sugere mudanças no Código Penal. Mas há quem proponha alterações no Código Eleitoral e até na Lei de Segurança Nacional.

O jornal Estadão acrescenta sobre o assunto:

O projeto de lei 9533/2018, do deputado Francisco Floriano (DEM-RJ), prevê pena de um a quatro anos de detenção para quem “participar nas tarefas de produção e divulgação de fake news, seja no formato de texto ou vídeo, com a finalidade de disseminar (…) notícias falsas capazes de provocar atos de hostilidade e violência contra o governo”.

Para Floriano, o fator internet requer um “aperfeiçoamento” da Lei de Segurança Nacional “por causa da velocidade com que se espalha uma mentira”. Segundo ele, a Justiça seria a encarregada de apontar se uma informação compartilhada é mal-intencionada ou não.

Ex-comandante diz que Ortega quer conflito armado na Nicarágua

O comandante reformado Roberto Samcam lutou junto com Daniel Ortega na guerrilha Sandinista que, em 1979, derrubou a família Somoza do poder.

Depois, durante uma década, serviu no Exército da Nicarágua na guerra com os rebeldes da Contra, financiados pelos Estados Unidos.

Após deixar as armas, co-fundou o Grupo Patriótico de Soldados Reformados e atualmente é um aberto crítico de Daniel Ortega.

Em uma entrevista à AFP, Samcam analisa a resposta do presidente à crise desatada em abril na Nicarágua. O resultado, segundo ele, é toda uma vida de guerra.

PERGUNTA: O presidente nega que as forças de segurança tenham matado civis, mas organizações de cidadãos acusam paramilitares ligados ao governo de abrir fogo contra os manifestantes. Quem são?

RESPOSTA: Daniel Ortega mente porque, efetivamente, essas forças parapoliciais e paramilitares foram organizadas e armadas pelo governo.

Identificamos (no caso dos paramilitares) que existem policiais à paisana, militares reformados que estão desmobilizados do serviço militar patriótico, alguns membros das extintas Pequenas Unidades de Forças Especiais, que eram as tropas especiais do Exército nos anos 1980.

No caso das forças parapoliciais, são compostas por muitos criminosos antissociais, pessoas das camadas mais pobres, muitos deles ligados ao consumo de drogas (…) Também existem presos que foram libertados e tiveram um treinamento rápido no Estádio Nacional (…).

Com informações de BOL

‘Soros está preocupado? Estamos no caminho certo’, diz político italiano

“A preocupação do magnata George Soros com o novo governo da Itália é um bom sinal, porque significa que estamos no caminho certo”, disse o vice-líder do partido direitista Liga, Claudio Borghi Aquilini.

“Soros preocupado com o governo italiano? Isso significa que estamos indo na direção certa”, disse Borghi.

A declaração foi uma resposta às alegações feitas por George Soros no Festival de Economia de Trento, na Itália, no domingo (3).

O bilionário disse que há uma “relação próxima” entre o presidente russo Vladimir Putin e o novo ministro do Interior da Itália, o líder da Liga, Matteo Salvini.

Soros perdeu terreno na Europa nos últimos 12 meses após vitórias conservadoras, populistas e patrióticas na Hungria, Itália, República Tcheca e Áustria, onde os cidadãos votaram contra a migração em massa e a favor de um união cada vez menos estreita com a União Europeia.

Traduzida e adaptada de Breitbart

Israelense agredido em Berlim por escutar música hebraica

Os envolvidos na agressão são palestinos da Faixa de Gaza, que se ofenderam com adolescentes escutando o cantor Omer Adam, em estação de trem na capital da Alemanha.

Um adolescente israelense e dois de seus amigos foram atacados em uma estação de trem em Berlim por um grupo de homens árabes que ficaram furiosos quando ouviram uma música hebraica tocando no celular dos garotos.

O ataque aconteceu na Estação Zoologischer Garten, na capital da Alemanha, durante a noite de sábado (2). De acordo com um relatório do jornal alemão Bild, os agressores disseram que eram da Faixa de Gaza.

O jovem de Israel, de 17 anos, e identificado apenas como Yonatan, disse ao jornal Israel Hayom que ele e seus dois amigos, estavam esperando por um trem quando tocou a música “Tel Aviv” do cantor israelense Omer Adam em seu telefone.

Um grupo de homens árabes, ao ouvir as letras hebraicas da música, se aproximou dos três adolescentes.

Yonatan disse que eles gritaram para ele “música hebraica? Por 70 anos você está assassinando crianças. Berlim é a nossa cidade agora e aqui não ouvimos a porra da música judaica.”

Traduzida e adaptada de Times of Israel

Leonardo Boff ameaça o juiz Sergio Moro

O teólogo Leonardo Boff é um ferrenho defensor do Partido dos Trabalhadores (PT) e do corrupto Luiz Inácio Lula da Silva.

Leonardo Boff, um dos principais expoentes da Teologia da Libertação, disse que o juiz federal Sergio Moro iria “se refugiar na embaixada dos USA” por “condenar inocentes”.

A ameaça foi publicada através do seu perfil oficial no Twitter.

Em entrevista publicada na Revista Forum, no sábado (2), Boff manteve a narrativa de agitação das massas pela liberdade do condenado Lula.

‘Hoje devemos manter a indignação contra os malfeitos que o presidente ilegítimo e usurpador Michel Temer fez contra o povo, especialmente contra os pobres e os aposentados, e coragem para nos organizarmos para superar a situação, reelegermos Lula e dar continuidade à revolução pacífica que iniciou, mudando o perfil do Brasil face a nós mesmos e face ao mundo. Portanto, coragem’, declarou.

Tucanos lançam manifesto pela “união do centro político”

O manifesto dos tucanos aponta o risco de, em caso de fragmentação do chamado centro político, o grupo ficar sem representante no segundo turno da corrida presidencial.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o deputado Marcus Pestana (MG), e o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, lançam nesta terça-feira (5), em conjunto com o senador Cristovam Buarque (PPS-DF), um manifesto pela união do chamado centro político na eleição presidencial deste ano.

O documento será apresentado a pré-candidatos ao Planalto como Geraldo Alckmin (PSDB), que recentemente elogiou a iniciativa, e Marina Silva (Rede).

O manifesto aponta o risco de, em caso de fragmentação do chamado centro político, este grupo ficar sem representantes no segundo turno da disputa, deixando a Presidência para os “extremos do espectro político”.

Segue um trecho do documento:

Tudo que o Brasil não precisa, para a construção de seu futuro, é de mais intolerância, radicalismo e instabilidade. Para nos libertarmos dos fantasmas do passado, superarmos definitivamente a presente crise e descortinarmos novos horizontes é central a construção de um novo ambiente político que privilegie o diálogo, a serenidade, a experiência, a competência, o respeito à diversidade e o compromisso com o país. É neste sentido que as lideranças políticas que assinam este manifesto conclamam todas as forças democráticas e reformistas a se unirem em torno de um projeto nacional, que a um só tempo, dê conta de inaugurar um novo ciclo de desenvolvimento social e econômico, a partir dos avanços já alcançados nos últimos anos, e afaste um horizonte nebuloso de confrontação entre populismos radicais, autoritários e anacrônicos.

Além de Alckmin e Marina, o tucano Marcus Pestana disse que o documento será levado aos pré-candidatos Flávio Rocha (PRB), João Amoedo (Novo), Rodrigo Maia (DEM), Henrique Meireles (MDB), Alvaro Dias (Podemos) e Paulo Rabelo de Castro (PSC).

Com informações de BOL